Sunday, December 10, 2006

A vida que prega peças

Gaby, Gabriella, minha querida Gabriella Bom, não sei se vc lê isso aqui sempre, mas se lê, talvez se lembre de uma tal de Gabriela suiça que me incomodava muito. Não que isso seja novidade, tenho problemas de relacionamento com esse nome, mas o caso é: as coisas mudaram. Não mudaram só porque ela já esta indo embora e porque toda despedida disperta em mim um sentimento de arrependimento, carinho e compaixão absurdo, nem porque tentei ser uma pessoa super-ultra melhor, nem porque ela mudou. Simplesmente porque aconteceu. Foi assim, num piscar de olhos. Olhei pra minha classmate e vi nela alguém sempre interessada na minha vida, nos meus problemas, nas minhas dificuldades. Vi alguém que sempre me recebia com um super Good Morning e nem se afetava com o meu silêncio nas duas primeiras horas do dia. Alguém, com o seu jeito quieto, reservado, observador que mostrou um carinho, uma atenção e uma amizade desconcertante. Alguém que eu deveria ter aproveitado antes, alguém que me quer bem de verdade, alguém que me conquistou. Ela sempre pergunta como eu estou, sempre atenciosa, pergunta do meu pai, das coisas no Brasil, o que eu fiz no final de semana. Um dia percebi que educadamente deveria perguntar - e vc ? Mas que muitas vezes não fazia. Não por nada, mas pelo simples fato de não estar interessada. Comecei a me "obrigar" a perguntar. E não é que deu certo ? Uma vez o Pe Mario me disse que muitas coisas começam forçadas pra depois virem a se tornar espontâneas, e com ela foi isso que aconteceu. Hoje, somos classmates que melhoraram nitidamente no inglês e no relacionamento. Hoje nos entendemos por olhar, sabemos nossas dificuldades e vamos visitar uma a outra. Hoje aprendi mais uma lição. E dessas das mais valiosas. Estou muito feliz pela minha amiga Gaby. Os que estão indo embora Ainda lembrando dos post antigos, logo no começo não tinha gostado muito da leva de brasileiros que conheci. Uma porque eu achei eles exatamente do jeito das pessoas que eu não gosto. Filhinhos de papai, com dinheiro pra gastar em dollar, com carro do ano, nenhuma experiência na carteira de trabalho, esses tipinhos que vivem ou em função da faculdade, ou em função do pancadão. Mas me surpreendi. Conheci Juninho, alguém que faz uma falta absurda tão absurda que nossa não dá pra descrever. Sem ele não conheceria o Neil, não daria uma chance para as coisas acontecerem e não seria quem eu sou hoje. Alguém totalmente diferente de mim, alguém com um coração, uma paixão, uma loucura desconcertante, alguém que me faz sorrir toda vez que lembro das nossas barbaridades. Conheci José. Carioca, boa pinta, funkeiro e romântico, impaciente e amigo, atencioso e desligado. Meu companheiro, meu irmão, um maluco que vai embora essa semana e que só de pensar me arrepia a espinha. Ines, a austriaca. Ela é toda lindona, posuda, mais velha cheia de charme. faz milhões de perguntas, umas que nem têm resposta. Mas me identifico com sua busca por uma vida só dela, onde ela dita regras, faz seu próprio jogo. Um dia desses me espantei com o poder que minha estória fez em sua vida. Contei das minhas perdas, dos meus ganhos e sem perceber ajudei seu coração. Ela apagou os e-mails do antigo namorado, tirou a gaiola dentro de seu coração e acredito eu que sua vida na Austria será outra, agora que não há mais gaiolas Richard o que falar dele, Sr Schatzeli ? Me conquistou, me fascinou logo na primeira semana. Lógico que tive uma queda por seus olhos azuis, mas a amizade prevaleceu com toda a certeza. Ele me irrita, ele me estressa, ela não sabe jogar jogo da velha, mas eu o amo muuuittooo!! É uma conexão tão grande, parece que ele fala português e eu alemão. Nos entendemos de maneira perfeita, uma amizade tão grande que nossa no domingo quando ele subir naquele avião vai ser fodástico. E tudo isso pra dizer Pra dizer que não sou mais a mesma, nem por fora, nem por dentro. Pra dizer que cresço, amadureço, me viro do avesso só pra ser feliz. E que eu estou feliz. Feliz com meus erros e acertos, com meus dias de sol e meus dias de chuva. Feliz com meu namorado( que merece um post só pra ele, mas não vai ser agora) feliz com a vida que escolhi pra mim. E que seja sempre assim.

3 comments:

Anonymous said...

como assim namorado?Nem me contou...contou pra todo mundo menos pra mim....buaaaa
rs
Agora podemos sair em casal, vc volta para o Brasil para que isso possa acontecer?rs
Você escreve bem, e parece que tem muito das maiorias dos pensamentos e talvez um pouco do meu jeito.
Curiosidade em estar frente a frente com você e talvez poder descobrir uma valiosa amizade, mesmo sem suportar as primeiras duas horas do dia ao seu lado! hahahaha
Beijos e seja muito feliz!

Anonymous said...

errata: "...sem ter que suportar"

Pititica do seu coracao said...

Muito lindo isso tudo....queria poder fazer um terço do que vc faz!
Tô com sintomas de saudade, tô pensando em vc!
Te amo!
Felicidadesssssss!